Modificações na qualidade nutricional da planta provocadas pelo uso de adubos químicos e agrotóxicos

AROLT, Moacir Roberto
Engenheiro Agrônomo, Doutor em Meio Ambiente, Pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), Ponta Grossa, C.Postal 129, CEP 84001-970, Fone/Fax: (42) 229-2829. E-mail: darolt@pr.gov.br

Trabalho publicado em 06/04/2001

As modificações provocadas pelo uso de adubos químicos e agrotóxicos podem causar desequilíbrios na qualidade nutricional dos alimentos e sobre a saúde humana. Por isso, as plantas tratadas com agrotóxico tornam-se desequilibradas, diminuindo a produção de proteínas ou aumentando a degradação dessas substâncias. Como funciona esse processo? Por que a praga e o fungo respeitam uma planta sadia? Qual a relação entre equilíbrio metabólico da planta e resistência ao ataque de pragas e doenças? Uma planta desequilibrada pode influenciar na saúde humana ? Isso é o que pretendemos discutir neste artigo.

Um dos pesquisadores pioneiros neste tipo de estudo foi o francês Francis CHABOUSSOU (1999), que desenvolveu uma teoria, conhecida como a Teoria da Trofobiose. A palavra Trofo quer dizer alimento e Biose quer dizer existência de vida, assim Trofobiose quer dizer que todo e qualquer ser vivo só sobrevive se houver alimento adequado à disposição dele.

Essa teoria mostra que a suscetibilidade da planta ao ataque de pragas e doenças é uma questão de nutrição ou de intoxicação. Ou seja, uma planta bem alimentada e saudável, apresenta uma composição equilibrada, formando uma estrutura compacta que dificilmente será atacada por pragas e doenças. Entretanto, a proliferação e a intensidade do ataque de pragas (insetos, ácaros e nematóides) e doenças (fungos, bactérias e vírus) estão diretamente relacionadas com o estado nutricional das plantas. Assim, a planta fica suscetível ao ataque de pragas e doenças quando tiver na sua seiva, exatamente o alimento que eles precisam. Este alimento é constituído principalmente por aminoácidos e açúcares solúveis (Figura 1).

Quando inibe-se o processo de proteossíntese, que é a formação de proteínas a partir de aminoácidos, acabam predominando no tecido vegetal os aminoácidos e açúcares solúveis. Neste caso, predomina a proteólise, que é a formação de aminoácidos livres a partir da decomposição das proteínas. Vale lembrar que os agrotóxicos e adubos químicos favorecem a proteólise e inibem a proteossíntese. Em outras palavras, tornam as plantas mais suscetíveis às pragas e doenças, como mostra a seqüência da Figura 1. Por outro lado, a adubação orgânica e o manejo ecológico preconizados na agricultura orgânica tendem a favorecer a formação de proteínas completas (proteossíntese), tornando as plantas mais resistentes e nutricionalmente mais equilibradas.

FIGURA 1 – PROCESSOS QUE OCORREM NO INTERIOR DE UMA PLANTA SADIA E DE UMA PLANTA DESEQUILIBRADA (Teoria da Trofobiose)

Image 1

DESENHOS: Extraídos de GUAZELLI & SCHIMITZ (1996).

DESENHOS: Extraídos de GUAZELLI & SCHIMITZ (1996).

É interessante observar também que quanto maior o teor de açúcar na planta ou no fruto, maior será sua concentração de minerais, e quanto maior a concentração equilibrada de minerais, melhor será a qualidade da proteína. Minerais em desequilíbrio entre si revelam ausência de vitaminas e presença de proteínas pobres, de baixo valor nutritivo. E, assim, como plantas e frutos nesse estado são suscetíveis ao ataque de pragas e doenças, uma vez ingeridos, não irão contribuir para manter a saúde do consumidor.

Saúde: Um Estado de Equilíbrio

Para o consumidor também é necessário ter em mente o princípio do equilíbrio. Desde que abandonou a vida primitiva, o homem vem modificando intensamente o ambiente em que vive, especialmente sua alimentação (Tabela 1), introduzindo desde substâncias tóxicas a alimentos quimicamente estranhos e até mesmo impróprios à sua espécie. Tudo com a finalidade de melhorar o sabor, a aparência e a capacidade de conservação dos alimentos. Segundo PRETTI (2000), foram mudanças realizadas paulatinamente, porém sem a consciência de que tais atitudes poderiam ser nocivas à saúde.

TABELA 1 – PADRÃO DIETÉTICO DO HOMEM PRIMITIVO x HOMEM MODERNO.

HOMEM PRIMITIVO HOMEM MODERNO
Alimentos integrais Excesso de alimentos refinados
Alimentos ricos em fibras Alimentos pobres em fibras
Alimentos ricos em nutrientes Alimentos empobrecidos em nutrientes
Alimentos ricos em energia vital Alimentos pobres em energia vital
Alimentos consumidos crus Alimentos na maioria processados
pelo calor
Menor teor de gordura saturada Alto teor de gordura saturada
Ausência da adição de açúcar e sódio Excesso de açúcar e sódio
Ausência de fermentos e antibióticos Excesso de fermentos e antibióticos
Ausência de agrotóxicos e aditivos químicos Excesso de agrotóxico e aditivos químicos

FONTE: PRETTI (2000)Por isso, a importância de comer alimentos equilibrados, pois saúde é o resultado de um estado de equilíbrio. Como dizia Hipócrates “que o teu alimento seja o teu remédio e que teu remédio seja o teu alimento”.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

CHABOUSSOU, F. Plantas doentes pelo uso de agrotóxicos: a teroria da trofobiose. Trad. Maria José Guazzelli. 2. ed. Porto Alegre: L&PM, 1999. 272 p.

GUAZELLI, M. J. & SCHIMITZ, R. Teoria da Trofobiose. Apostila de agricultura ecológica. Centro de Agricultura Ecológica de Ipê – RS e Fundação Gaia. 1996.

PRETTI, F. Valor nutricêutico das hortaliças. Horticultura brasileira., v. 18, 2000, Suplemento Julho. p. 16-20.

One thought on “Modificações na qualidade nutricional da planta provocadas pelo uso de adubos químicos e agrotóxicos

  1. concordo plenamente, pois uma planta desequlibrada ela não forma sua proteinas verdadeira,com isto as plantas não produzem os fenois , substancias de devesa das plantas, exemplo disoo é falta de zinco no controle do mal do panama,com sendo percursor do A.I.A,sem ele não forma a tilose ao redor das celulas, sem os fusariuns da vida entram no vacuolo das celulas e ganham os vasos das plantas,em equilibrio isto não acontece.Ana privavesi comenta isto muito bem em seu livro.manejo ecologico do solo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *